Rio Araguari
O fim da pororoca
Por Serginho Laus em 26/05/15
Serginho Laus explica os acontecimentos que prejudicaram a formação da pororoca do Rio Araguari (AP)

Depois de 13 anos explorando e criando uma história no Brasil e no mundo junto à pororoca do Rio Araguari (AP), entramos num período de luto e indignação devido às mudanças que ocorreram no ecossistema da região. Mas, para entender o porquê disso tudo, temos que voltar algumas décadas no passado para juntar todas as peças desse quebra-cabeça. 

Antes mesmo de sonharmos em surfar ondas extremamente longas e radicais, cientistas e repórteres de grandes emissoras já procuravam desvendar os mistérios da famosa "Pororoca", nome dado à onda de maré que acontece na Amazônia. Lendas como Jean Jacque Costeau e Amauri Neto "O Reporter" apresentavam imagens e depoimentos de uma onda sem fim, que mais se parecia com um "Tsunami". Nessa época o problema com o Araguari já tinha sido iniciado. 

Sem saber do impacto ambiental que causaria na região, fazendeiros criavam centenas e milhares de búfalos, que foram se reproduzindo e crescendo de forma desordenada nas margens do Araguari. Ecologistas já alertavam sobre o problema de ter uma criação desordenada e desenfreada, mas como são chamados, os "EcoChatos" foram ignorados pela ganância do capitalismo selvagem e o processo para a morte da pororoca foi iniciado.

Os búfalos caminham em manadas, enfileirados, pisando num solo úmido (lama), vão criando caminhos que, quando a maré sobe e abaixa, a corrente de água vai ajudando a criar valas, que ao longos de muitos invernos foram ganhando forma, surgindo novos igarapés e, hoje em dia, rios!

Mas o que tem a ver os búfalos com a morte da foz do Rio Araguari?

Não somente os búfalos estão envolvidos, como também as hidroelétricas da cidade de Ferreira Gomes e Porto Grande, que represam um grande volume de água na nascente do Rio Araguari, que sofreu com uma diferença de pressão de água e correntes ao longo de toda a extensão de um rio que já formou divisa entre o Brasil e a Guiana Francesa.

A soma das hidroelétricas, mais os búfalos, fez com que a Natureza começasse a mudar e se readaptar a um novo rumo. Enquanto isso, a pororoca não parava de funcionar! Toda lua cheia e lua nova, grandes e extensas ondas quebravam sozinhas e muitas vezes apenas para poucos amigos que desfrutavam de cada segundo daquela aventura que muda a vida de qualquer ser humano. Fato que faz pensar por que não desfrutamos mais daquele paraíso. 

De 2012 pra cá, os sinais de mudanças foram mais agressivos. A melhor pororoca do mundo foi perdendo força e o Rio Araguari cada vez mais assoreado, fica a cada lua mais raso. Os canais foram sumindo, as lanchas já tinham grande dificuldade de navegação na maré seca, e quando a onda surgia deixava a atividade cada vez mais arriscada e perigosa. 

E em junho de 2013, gravei o programa "Waterman", do meu amigo Kauli Seadi, já em condições finais. Foi a última expedição de surf e exploração da pororoca do Rio Araguari, pois depois, no verão de 2013, a foz do rio secou. E o que era um mar de água doce, virou um mar de lama. E que no ano de 2015, virou um terreno imenso com mato!

O lugar onde quebravam ondas de 3 a 4 metros de altura, onde embarcações naufragavam, surfistas ficavam com a adrenalina a mil, onde poucos tinham o conhecimento e coragem de passar nos períodos de lua grande, acabou numa área onde tratores trafegam preparando o terreno para mais búfalos.

Com essa mudança, perdi o meu pico favorito. Minha onda predileta acabou, e com isso o sonho de milhares de surfistas que almejavam encarar as paredes mais perfeitas, extensas e desafiadoras de suas vidas. Falo isso, pois o Rio Araguari oferecia condições extremamente boas e que agora não tem nenhum pico de pororoca no Brasil que chegue a 50% do que tínhamos ali antes.

Fui obrigado a me mudar e procurar novas ondas, mas isso é assunto para a próxima reportagem. 

Muita história acabou enterrada naquela lama, muitos ribeirinhos tiveram e viveram sonhos surreais nesse período, mas isso fica perpetuado em nossas memórias que em breve irão virar filme. E aqui fica o registro do que foi e do que ficou do Hawaii das pororocas.

Agradeço muito todos os ribeirinhos que fizeram parte dessa história e a todos que acreditaram nesse trabalho.

Muito grato a Goofy, Hot Buttered, G-Shock, Bullys, Power Light Surfboards e a Sumatra Surf.  

Longas ondas e rumo à próxima pororoca.

Veja também
Parceiros do Mar

Parceiros do Mar

ONG promove mutirão

Marcelo Trekinho

Marcelo Trekinho

Aventuras havaianas

Oficina de Atletas

Oficina de Atletas

Projeto lapida talentos

Prancha reciclável

Prancha reciclável

Do lixo às ondas

Oficina de Atletas

Oficina de Atletas

Alunos recebem doações

Canto do Dado

Canto do Dado

Pousada cuida do lixo

Estabelecimentos
Picos